<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7971514483162115648\x26blogName\x3d%C2%A0\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://bprmadeira.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://bprmadeira.blogspot.com/\x26vt\x3d-5740747073775447450', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

  

 

 
 

ë “Revolta da Farinha” foi há 79 anos

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010
A 4 de Fevereiro de 1931, há 79 anos, os madeirenses revoltavam-se num movimento que ficou conhecido como "a revolta da farinha" , precursor, um mês depois, da "revolta da Madeira" contra a ditadura saída do 28 de Maio de 1926.
Na origem deste levantamento popular esteve o Decreto n.º 19273, de 26 de Janeiro de 1931, que estabelecia o monopólio da moagem e que ficou, então, conhecido como o "Decreto da Fome".
Este diploma, segundo o historiador Alberto Vieira, "acabou com a livre importação de trigo e farinhas, ficando entregue em regime de monopólio a um grupo de moageiros". Prosseguindo, Alberto Vieira condensa: "Todos reclamaram contra o novo regime cerealífero em manifestação pública a 29 de Janeiro. Nada demoveu o Governo central e a divulgação do Decreto na imprensa local a 04 de Fevereiro foi o rastilho da rebelião popular".

E finaliza: "Os motins alastraram-se na cidade e perduraram até 09 de Fevereiro. Os populares saquearam as moagens, sendo a Companhia Insular de Moinhos o alvo principal. Deste assalto do dia 06 de Fevereiro resultaram 5 mortos e muitos feridos".O historiador recorda ainda que o próprio governador militar, coronel José Maria de Freitas, em nota oficiosa de 5 de Fevereiro "havia se manifestado desfavorável ao Decreto".


O texto legislativo acabou por ser suspenso, mas, continua Alberto Vieira "os madeirenses ficaram sujeitos, a partir do dia 09 de Fevereiro, à represália do Governo central, através do coronel Silva Leal, Delegado Especial do Governo, acometido de poderes administrativos e militares, que chegou à ilha à frente de uma força militar e com poderes discricionários para proceder a prisões e deportações".
O clima de terror e de instabilidade criado na sequência do abafamento da revolta da farinha, despoletou, a 04 de Abril, a "Revolta da Madeira", instigada por políticos, deportados e militares,alguns dos quais integravam as forças do próprio Silva Leal, e madeirenses contra a ditadura do Estado Novo de Oliveira Salazar.
O "Movimento Revoltoso" instaurou a 11 de Abril de 1931 uma Junta Governativa que foi, então, confiada ao general Adalberto Gastão de Sousa Dias e, durante cerca de um mês, a Madeira, com um Governo pelos ideais democráticos, rivalizou com o do continente.
Este, no entanto, viria a sucumbir a 02 de Maio com a rendição dos revoltosos face à ofensiva militar preparada pela ditadura.

Foto retirada do blog olho de fogo
Um bem haja ao historiador Alberto Vieira
Fonte: JM 05/01/2010
Ver mais, Wikipédia

 
 


Web Neste blogue


  •  

Arquivo

Mensagens Anteriores

Sites Interessantes

Click for Funchal, Madeira Islands Forecast
 
Pingar o BlogBlogs Adicionar aos Favoritos BlogBlogs Estou no Blog.com.pt Add to Technorati Favorites